Grupo Dom Bosco: Julho 2014

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Posições controversas? Entrevista com Dom Williamson


Esta entrevista é um dos resultados de quatro dias de conversação com o Bispo Richard Nelson Williamson quando era o reitor do Seminário da Fraternidade São Pio X, Nuestra Senora Corredentora, em La Reja, na Argentina.

Ao longo dos anos o Bispo Williamson explorou muitas questões relacionadas com a invasão da cultura anticatólica que nos rodeia. Muitos leram as cartas, mas poucos sabem muito sobre ele. 


P- Vossa Excelência, por que suas palavras dividem tanto as opiniões? 

R - Porque esse personagem Williamson é um dinossauro militante, não contente em ser extinto. Ele há muito tempo já chegou à conclusão de que o mundo moderno está muito errado. Mas o mundo moderno surgiu porque muitas pessoas acreditaram (e ainda acreditam) nele. Então, se ele se recusa a acreditar nele, não admira que haja um confronto. 

P - Eu admito que costumava ser muito difícil para mim ouvir o que o senhor tinha a dizer. Eu não podia suportar as suas ideias, Vossa Excelência, nos meus primeiros anos de Tradição. Mas quanto mais eu aprendi mais sobre a minha fé e sobre a crise, mais eu percebi que eu não estava vendo o quadro inteiro, como o senhor estava. 

A entrada da Wikipedia sobre Richard Williamson é uma verdadeira ladainha das posturas controversas de Williamson, com uma imagem encantadora de Julie Andrews em seu filme favorito. Deixe-me pedir breves relatos de suas ideias mais controversas: 

Mulheres e calças 

O Bispo de Castro Mayer disse que calças são piores nas mulheres do que as minissaias porque minissaias atacam apenas o homem inferior através da sensualidade, enquanto que as calças das mulheres atacam a parte superior do homem por perverter a própria ideia de mulher, colocando-a em roupas masculinas. 

Cada vez que uma mulher coloca uma saia ou calça ela reconhece em si mesma, consciente ou inconscientemente, a diferença entre as duas para sua psique. São as mulheres que me dizem isso. É lógico. 

Mulheres e Faculdade 

Universidades verdadeiras são para ideias. 
Meninas verdadeiras não são para ideias. 
Meninas verdadeiras não são para universidades verdadeiras. 

Isso levanta a questão, o que é verdadeiro para meninas? 

Ser mãe, seja física ou espiritual. Em seu sentido mais amplo e nobre. A maternidade é sagrada. É o futuro da humanidade. A Mãe de Deus é a glória do Catolicismo. 

Alegado antissemitismo 

Só um tolo é contra os judeus, simplesmente porque eles são judeus. Deve haver pouquíssimos diretores de seminários católicos tradicionais, que tenham convidado, como eu fiz uma vez, um rabino judeu para palestrar para seminaristas. Por outro lado, apenas um católico que não entende a sua fé não é contra os inimigos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Eu sou contra judeus ou gentios, que são inimigos de Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Maçonaria 

A Maçonaria é uma organização secreta que tem sido repetidamente condenada pelos Papas Católicos em seu juízo perfeito, porque desde o início ela foi projetada para subverter a Igreja Católica. Há alguns maçons, talvez haja muitos deles, que não sabem que este é o propósito profundo da Maçonaria, e que deixariam de ser maçons se soubessem. No entanto, os Papas Católicos sempre souberam disso. 

A Noviça Rebelde (The Sound of Music)

É subversivo. Por exemplo, Julie Andrews interpreta uma gatinha sexy que é uma irmã para filhas de seu marido, em vez de ser mãe, entre outras coisas. Em última análise, A Noviça Rebelde é uma apresentação falsa sobre maternidade, paternidade, família, autoridade, vida. Há mais, mas isso é suficiente. 

Tecnologia 

Em teoria, a tecnologia é um instrumento neutro aberto para ser usado para o bem ou para o mal, mas na prática, hoje em dia desempenha um papel enorme no materialismo do homem moderno, pois o homem moderno seria muito melhor espiritualmente, se ele não tivesse as tentações e distrações da tecnologia, especialmente dos eletrônicos. 

Diz-se que o dino-bispo Williamsorus Rex, é excessivamente pessimista. Uma das cartas do padre Le Roux do Seminário mencionou recentemente que não somos uma religião de pessimismo ou otimismo, porque a virtude da Esperança supera tais ideias transitórias. Então deixe-me enquadrar a próxima série de perguntas para o senhor nos dizer onde vê esperança, e onde precisamos melhorar. 

Famílias e Pais 

Sempre que há famílias com grande número de crianças, algo está dando certo, de acordo com o plano de Deus. Quanto mais as famílias se expõem à tradição católica, mais vemos famílias numerosas no mundo. 

No entanto, muitos pais mais jovens precisam pensar sobre o quanto mais eles precisam fazer a fim de garantir a salvação eterna de todos (leia-se: todos) os membros de sua família. 

Mães 

Quando eu costumava visitar os EUA, para a Crisma, eu via regularmente jovens mães com várias crianças pequenas. Estas mães eram, obviamente, femininas, felizes, e mulheres realizadas. 

No entanto, mais e mais moças precisam receber ajuda para perceber que a sua verdadeira felicidade está na maternidade, com todos os seus vínculos e obrigações. 

Adolescentes 

Existem poucos pais de família que dão suficiente bom exemplo de levar a sua religião a sério para evitar que os meninos se afastem da prática de sua religião, como muitos o fazem, quando chegam aos 13, 14, 15 anos de idade. 

No entanto, mais pais precisam manter os seus meninos longe de eletrônica ao lidar com o mundo real, em qualquer modo, tamanho ou forma. Além disso, os pais devem manter o difícil equilíbrio entre deixar seus meninos se contaminar pelo mundo e mantê-los em uma bolha de superproteção a qual os meninos são obrigados a estourar. Nenhum garoto digno desse nome quer viver na artificialidade, mesmo numa artificialidade piedosa. 

Escolas 

Nossa esperança aqui é a própria existência de escolas católicas tradicionais. É uma espécie de milagre que elas existam. 

No entanto, as escolas católicas de hoje devem manter o mesmo equilíbrio difícil como os pais, ou seja, entre superproteger as crianças do mundo de hoje e desprotegê-las, o que naturalmente causa danos incalculáveis ​​aos seres humanos em seus anos mais jovens e vulneráveis. Ninguém finge que é um equilíbrio fácil de manter. Uma fé forte é necessária. 

Paróquias 

Como a família é a unidade básica da natureza, a paróquia é a unidade básica do sobrenatural. É encorajador ver quase-paróquias crescerem ao redor da Verdadeira Missa, em todo o mundo. Mas estas quase-paróquias sofrem grandes dificuldades de distância, podendo apenas se encontrar no domingo, e assim por diante. Assim, o sacerdote que garante uma missa dominical sabe que deve fazer o que puder para construir uma família sobrenatural em torno da Missa 

Ambiente de trabalho 

Em primeiro lugar, os homens devem, na medida do possível, ficar de fora do ambiente de trabalho de hoje. E as mulheres devem ficar em casa, onde esses homens devem fomentar e amar a maternidade de suas esposas. 

Quanto aos homens, que devem estar no ambiente de trabalho de hoje, eles devem, pelo menos, perceber de quantas maneiras este ambiente é prejudicial ao seu bem-estar espiritual, e eles devem sabiamente agir da forma mais evasiva possível. 

Mais e mais mulheres estão querendo ficar em casa. Isso é definitivamente esperançoso. Mas para isso tanto o pai quanto a mãe devem desejar e amar crianças. Porque, sem filhos, a mãe é susceptível de ser insuficientemente empregada em casa, e insuficientemente respeitada para ficar em casa. 

Quanto aos homens, o desejo de fugir da cidade grande e moderna é certamente um sinal de sanidade. Se eles podem fazê-lo é outra questão. 

Modos de vida 

Muitos católicos tradicionais estão começando a ver a artificialidade radical da maneira suburbana [1] de vida. Isso é esperançoso. 

Em termos gerais, a grande cidade moderna e subúrbios são ambiente totalmente anticatólicos. Em termos gerais, quanto mais uma família puder se manter afastada dos eletrônicos e retornar à natureza, ou o campo, melhor. No entanto, um retorno ao campo e à vida do campo, que é muito mais saudável para as crianças, precisa ser bem pensado e planejado de antemão, se é para ter sucesso e não falhar em seu propósito. 

Um grande tema que o senhor fala muitas vezes é os “1950 ismos”. O senhor pode definir esse termo para os nossos leitores que não o conhecem? 

É o tipo de catolicismo a partir da década de 1950 que nos levou ao colapso conciliar do Vaticano II. A aparência de religião sem a substância. Um sentimentalismo farisaico. Uma dieta espiritual de balas e doces. Como tentar viver de doces. 

O antídoto é uma Fé forte que não quer fugir da realidade, a não ser para ir para o Céu. O Céu é real. Nenhum caminho irreal vai nos levar ao Céu real. 

O senhor, como eu, acredita que o 11 de setembro foi um trabalho interno. Por que é tão difícil para os católicos tradicionais até mesmo ter a mente aberta para ouvir essa possibilidade? E o que o senhor diz sobre a acusação de que deve manter a questões religiosas e deixar de colocar questões laicas, neste caso, o assassinato de 3.000 civis, para leigos? 

Bem, para responder a sua última pergunta, qualquer questão humana é essencialmente uma questão religiosa, e o 11 de setembro foi um trabalho tremendo feito nas mentes e vontades humanas. 

Para a primeira pergunta, eu responderia que o 11 de setembro causou uma grande mudança no pensamento mundial. Pessoas foram movidas numa direção globalista. Então, deve-se examinar em primeiro lugar se o 11 de setembro foi uma fraude global, e se foi, então deve-se examinar se é produtivo ou contraprodutivo dizer isso. 

No entanto, mesmo para começar a examinar os fatos, devemos divagar. Isto porque, para muitos queridos americanos, sua religião verdadeira é o seu governo. Para tais americanos, o 11 de setembro não pode ser uma fraude porque o seu governo maravilhoso não poderia fazer uma coisa dessas com eles! 

Mas como poderia um governo secular se transformar em religião de um povo? 

Porque os Estados Unidos estão unidos pela liberdade religiosa, o que significa que todas as religiões particulares contradizendo umas às outras não são sérias, nenhuma delas, deixando como fonte de unidade e da salvação da nação apenas seu governo secular. A liberdade religiosa é o porquê de muitos americanos tratarem o seu governo como a sua verdadeira religião, e por isso é claro que não podem lidar com a noção de o 11 de setembro ser uma fraude global. 

O famoso político conservador-liberal do século XVIII na Inglaterra, Edmund Burke, foi um caso semelhante? 

Sim, ele também queria glorificar uma revolução nacional, a chamada Revolução Gloriosa de 1688. Mais tarde, ele condenou a Revolução Francesa de 1789, mas o deslizar de um para o outro era inevitável, a menos que as almas se voltassem para o verdadeiro Deus, ou seja, para o Catolicismo. 

E o deslizar para o Anticristo é agora inevitável? Posso fazer alguma coisa para impedi-lo? 

Você e eu podemos abrandar o deslizar, permanecendo fiéis a Deus, mas pelas Escrituras, sabemos que o deslizar moderno termina com o Anticristo. O globalismo está em marcha. Mais rápido do que nunca. 

Voltando à ideia do campo, no sermão do Arcebispo [Lefebvre] por seu jubileu sacerdotal na Festa de São Pio X, de 1979, em Paris, ele é citado como dizendo (e aqui estou citando a biografia de Tissier de Mallerais, p. 513) que as famílias deveriam “fazer a escola em casa, se possível, e voltar para o campo, que é saudável, aproxima de Deus, equilibra temperamentos, e nos encoraja a trabalhar”. Algumas pessoas disseram que esta citação “é fora de contexto”, mas dada a forma que o Arcebispo favoreceu o ambiente rural em Êcone, alguém pode seriamente sustentar que o Arcebispo não defendia regressar ao campo sempre que possível? E em que contexto isso poderia ser colocado como tendo um significado diferente? 

Obviamente, o Arcebispo quis dizer o que disse. Inúmeros pensadores sérios, e não apenas católicos, têm entendido o quanto a grande cidade moderna é prejudicial para os seres humanos que vivem vidas humanas, quanto mais para chegar ao Céu. 

O Arcebispo está apenas dizendo o que é o senso comum para qualquer um que tenha pensado sobre o assunto. Mas é claro que é um tanto exigente de bom senso. É por isso que alguém pode inventar uma desculpa conveniente para sair dela, como dizer que a citação está “fora de contexto”. 

Em seguida ele diz “escola em casa quando possível”. Em uma entrevista com Bernard Janzen recentemente transcrita e publicada pela Angelus, o senhor foi citado como tendo dito que o ensino em casa é o segundo melhor. O senhor ainda se sente assim, e como pesa a sua resposta no contexto da citação do Arcebispo? 

É muito simples. Três, dois, um. 

O terceiro melhor ensino é o das escolas públicas corruptas em todos os lugares hoje. O segundo melhor é a pureza do ensino em casa [homeschooling].  O primeiro melhor ensino é o das boas escolas fora de casa, especialmente para os meninos. 

Mas o que dizer do custo dessas boas escolas (se não houver bolsas de estudo ou ajuda financeira disponível)? 

“A necessidade exige”, diz o provérbio. Se o papai não pode pagar por uma boa escola fora de casa, em seguida, a escola em casa torna-se a melhor opção. Infelizmente, boas escolas são sempre caras. 

E ainda mais em uma época sem muitas Irmãs e Irmãos ensinando... 

Verdade. No entanto, os católicos em eras passadas sempre fizeram sacrifícios enormes para a educação escolar de seus filhos, porque eles sempre souberam sua importância. 

“The Restoration of Christian Culture” [“A Restauração da Cultura Cristã”] é o título de um livro do falecido Dr. John Senior que soa como um desafio assustador. No entanto, alguns defendem que tudo o que é necessário é ir a Missa e para tentar converter as pessoas, em vez de “resolver os problemas do mundo”, por exemplo, voltar para o campo. Como o senhor responde, Excelência? 

A simples frequência a Missa obviamente não é o suficiente. 

Se um homem se vê no meio de um pântano, ele tem duas perguntas: 

1) Onde é que ele quer colocar o pé em seguida? 
2) Em que direção fica a terra seca?
Estas duas perguntas não são a mesma coisa. 
Praticidade imediata é uma coisa, o objetivo a longo prazo é outra. Talvez eu tenha que pisar imediatamente a sul, a fim de ir finalmente para o norte. 

O senhor chamaria tal catolicismo mínimo uma mentalidade de ‘cerco bunker’ [2]? 

As pessoas que só querem ir à missa e não fazem mais nada para catolicizar suas vidas não estão em uma mentalidade de ‘cerco bunker’, eu não acho que eles sequer sabem que estão sob cerco. 

Elas ainda não perceberam o quão perigosa tornou-se a situação moderna. E como o ambiente moderno é sempre anticatólico. 

Uma hora e meia no domingo não pode defender de 166,5 horas de ataque (24 horas por dia, 7 dias da semana - 1,5) . 

Falando de cercos e bunkers, Excelência, e esta crise do Líbano que eclodiu recentemente? 

Os israelenses fazer praticamente o eles querem, e o que eles querem não é justo. Se alguém quer dizer que é antissemita, que eles saibam que eu poderia muito bem ter dito a mesma coisa sobre os nazistas no início da 2ª Guerra Mundial, e os nazistas eram principalmente gentios. 

Pensamentos finais, meu senhor? 

Vigiai e orai, vigiai e orai, 
Quinze Mistérios, todos os dias!


Entrevista publicada em 2009.

Original aqui.

__________________________________________

Notas da tradutora:

[1] No texto o subúrbio é referente aos Estados Unidos. No Brasil a palavra subúrbio refere-se a bairros afastados do centro da cidade, mas não propriamente áreas projetadas para residências, como acontece nos EUA. Lá o subúrbio é uma área mais afastada do centro da cidade, mas com quase nada de comércio, bastante artificial, onde as pessoas terminam tendo que trabalhar muito para manter um padrão de vida mais elevado. Por exemplo, como é distante, é preciso ter dois carros e sendo assim todos os gastos aumentam, fazendo com que muitas vezes as mulheres tenham que trabalhar fora para ajudar com as despesas. No fim das contas desfavorece a família, e por isso também é ruim.

[2] “Bunker”- construção para proteger as pessoas de ataques de bombas, feitas geralmente em áreas subterrâneas.