Grupo Dom Bosco: Agosto 2012

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Santa Missa em Ciudad del Este

Grupo Dom Bosco presente na Santa Missa no apostolado da FSSPX em Ciudad del Este - Paraguai, há 6kms de Foz do Iguaçu.
O apostolado é conduzido pelo Pe. Carlos Herrera (La Reja, Argentina), que visita às famílias de Ciudad del Este há cada 30 dias aproximadamente.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Sobre o uso virtuoso da Internet - Parte II


                2.   Se conectar-te em casa necessitas, bem à vista a tela colocarás.

Conectar-se  à internet se torna cada vez mais necessário. As exigências se multiplicam tanto a nível de trabalho como universitário. Porém, não nos esqueçamos que ter internet em casa segue sendo uma clara ocasião de pecado! Chamamos ocasião de pecado (grave ou leve) a qualquer objeto, pessoa ou lugar que é para alguém, motivo de ofender a Deus. Por exemplo, se dirá que o club noturno (balada) é ocasião grave de pecado, porque implica um entorno (bebida, música, luzes, danças sensuais) que leva irresistivelmente a ofender gravemente a Deus. Deste modo parece supérfluo dizer que internet apresenta um grave perigo para as almas: falsas religiões, e doutrinas, satanismo, materialismo, pornografia, consumo massivo, exacerbação das três concupiscências... todos os vícios estão ao alcance de um só clique!

Por isto, antes de conectar o computador familiar à Rede, se deve seriamente examinar em que medida se necessita de internet em casa. Muitas famílias não a tem, e sobrevivem perfeitamente...

No caso que seja realmente necessário a conexão, existe a obrigação grave de limitar o perigo espiritual o mais possível. Com este fim se deve colocar o computador em lugar público da casa, evitando terminantemente os quartos de dormir, e deixar a porta aberta enquanto se está conectado.

Parte I pode ser vista aqui.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Sobre o uso virtuoso da Internet - Parte I

Tradução não oficial de André Renato Rinaldi, extraído da revista Iesus Christus do Distrito da América do Sul da FSSPX, de autoria de V. revma, Pe. Jean-Michel Gomis.

Sobre o uso virtuoso da Internet

Revolução social! Tal é nossa impressão quando examinamos o alcance do fenômeno da internet sobre a sociedade. Em menos de vinte anos, a tela conectada chegou a ser parte da vida do homem. Se usa para tudo: comprar, vender, aprender, distrair-se, encontrar a alma gêmea... Sem sair de casa, 2.200 bilhões de usuários têm acesso a mais de 660 milhões de sites, que lhe propõem tudo o que o homem moderno pode desejar.
Pois bem, ao católico que quer salvar sua alma, se faz uma interrogação: internet, me ajuda ou não a alcançar a vida eterna? Quais são as regras morais que devo seguir a respeito dessa extraordinária ferramenta tecnológica? A pergunta não é de pouca importância, sobre tudo se temos em conta a quantidade de horas que geralmente se passam diariamente na Rede (Web, em inglês) navegando pelo ciberespaço...
Por isto, achamos útil apresentar um “decálogo” da internet, como normas morais concretas para guiar aos católicos nesta questão. Deus queira que os pais de família levem muito a sério o assunto, para maior bem espiritual de suas famílias. 

Nem bom, nem mau em si mesmo: tudo depende do uso
 
Quando falamos da bondade ou malícia de uma ação humana concreta, se devem considerar três realidades: a ação em si mesma, a intenção de quem a realiza e as circunstâncias concretas nas quais se leva a cabo a ação.
•    A ação em si mesma pode ser moralmente boa, má ou indiferente.
Boa: se seu objeto é algo bom em si mesmo –como rezar ao Deus verdadeiro-.
Má: se seu objeto é intrinsecamente mau –como abortar, mentir, adorar um ídolo-.
Indiferente: se o objeto da ação não é intrinsecamente nem bom, nem mau –como pintar, comprar, aparar o gramado, etc.-

No caso da internet, se trata claramente de uma ação indiferente em si. Navegar na web não é nem bom, nem mau em si.

É uma mera ferramenta que pode usar-se tanto para o bem –por exemplo, para difundir a boa palavra- como para o mal –por exemplo, buscar coisas inúteis ou perigosas-.
A intenção do agente deve ser reta, ou seja, deve buscar o bem moral e a salvação da alma.
 
Uma intenção má vicia necessariamente a obra, ainda que se trate de uma ação boa em si mesma. Assim ensina Nosso Senhor Jesus Cristo com a parábola do fariseu, que rezava para ser considerado pelos demais e não para honrar a Deus.
As circunstâncias concretas das pessoas, lugares e tempo também influenciam sobre a bondade ou malícia moral das ações humanas.
Deste modo, olhar páginas úteis, por dever, no momento adequado resultará totalmente distinto do que olhar páginas perigosas, por curiosidade, no lugar do cumprimento do dever, etc.
Dito isto, podemos enunciar os seguintes “mandamentos” da web.

  1. Quando ao computador ligar, em teu fim último lembrará, a Deus e à sua Mãe rogarás.
“Em tuas obras, relembra-te de teus novíssimos e não pecarás jamais” (Ecl. VII, 40). Esta recomendação do Espírito Santo se aplica de um modo particular ao nosso assunto. Antes de abrir uma página, antes de lançar uma busca no “Google”, perguntemo-nos: esta averiguação, este trabalho que estou empreendendo, é realmente bom? Me ajuda a alcançar a vida eterna? Quando tiver de comparecer ante Deus para dar conta de minha vida, poderei recordar-me sem envergonhar-me, destes minutos passados diante da tela? Qual é minha intenção real?
Se vemos claramente que não somos movidos pelo bom espírito, sem demora abandonemos nosso propósito. No entanto, se realmente nos parece que temos intenção reta, encomendemo-nos a Deus e à sua Mãe para pedir seu amparo.
Alguns tem o bom costume de colocar ao lado da tela uma estampa, quadro ou imagem piedosa para manter-se na presença de Deus, e assim elevar sua alma a Ele, enquanto usam o computador. É uma pratica grandemente aconselhável.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Nossa Senhora, pavor dos demônios

Quando São Domingos estava pregando o Rosário perto de Carcassona, trouxeram à sua presença um albigense que estava possesso pelo demônio, parece que mais de doze mil pessoas tinham vindo ouvi-lo pregar.Os demônios que possuíam esse infeliz foram obrigados a responder às perguntas de São Domingos, com muito constrangimento. Eles disseram que:

1 - Havia quinze mil deles no corpo desse pobre homem, porque ele atacou os quinze mistérios do Rosário;

2 - Eles continuaram a testemunhar que, quando São Domingos pregava o Rosário ele impunha medo e horror nas profundezas do inferno e que ele era o homem que eles mais odiavam em todo o Mundo, isto por causa das  almas que ele arrancou dos demônios através da devoção do Santo Rosário;

Eles então revelaram várias outras coisas.

São Domingos colocou o seu Rosário em volta do pescoço do albigense e pediu que os demônios lhe dissessem quem de todos os santos nos Céus eles mais temiam, e quem deveria ser, portanto mais amado e reverenciado pelos homens.

Nesse momento eles soltaram um gemido inexprimível no qual a maioria das pessoas caiu por terra desmaiando de medo...e eles disseram: " Domingos, nós te imploramos, pela paixão de Jesus Cristo e pelos méritos de sua Mãe e de todos os santos, deixe-nos sair desse corpo sem que falemos mais, pois os anjos responderão sua pergunta a qualquer momento...

São Domingos ajoelhou-se e rezou à Nossa Senhora para que ela forçasse os inimigos a proclamarem a verdade  completa e nada mais que a verdade.
Mal tinha terminado de rezar viu a Santíssima Virgem perto de si, rodeada por uma multidão de anjos.Ela bateu no homem possesso com um cajado de ouro que segurava e disse: "Responda ao meu servo Domingos imediatamente". Então os demônios começaram a gritar:

"Oh, vós, que sois nossa inimiga, nossa ruina e nossa destruição, porque desceste do Céus só para nos torturar tão cruelmente? Oh, Advogada dos pecadores, vós que os tirais das presas do inferno, vós que sois o caminho certeiro para o Céus, devemos nós, para o nosso próprio pesar, dizer toda a verdade e confessar diante de todos quem é que é a causa de nossa vergonha e nossa ruina? Oh, pobres de nós, principes da escuridão: então, ouçam bem, vocês cristãos: a Mãe de Jesus Cristo é todo-poderosa e ela pode salvar seus servos de caírem no Inferno.Ela é o Sol que destrói a escuridão de nossa astúcia e sutileza. É ela que descobre nossos planos ocultos, quebra nossas armadilhas e faz com que nossas tentações fiquem inúteis e sem efeito.


Nós temos que dizer, porém de maneira relutante, que nem sequer uma alma que realmente perseverou no seu serviço foi condenada conosco; um simples suspiro que ela oferece à Santíssima Trindade é mais precioso que todas as orações, desejos e aspirações de todos os santos.
Nós a tememos mais que todos os santos nos Céus juntos e não temos nenhum sucesso com seus fiéis servos. Muitos cristão que a invocam quando estão na hora da morte e que seriam condenados, de acordo com os nossos padrões ordinários, são salvos por sua intercessão.
Oh, se pelo menos essa Maria (assim era na sua fúria como eles a chamaram) não tivesse se oposto aos nossos desígnios e esforços, teríamos conquistado a igreja e a teríamos destruído há muito tempo atrás; e teríamos feito que todas as Ordens da Igreja caíssem no erro e na desordem. Agora, que somos forçados a falar, também lhe diremos isto: ninguém que persevera ao rezar o Rosário será condenado, porque ela obtém para seus servos a graça da verdadeira contrição por seus pecados e por meio dele, eles obtêm o perdão e a misericórdia de Deus"

(O Segredo do Rosário - São Luís Maria G. de Montfort - pág. 95 à 97)
Fonte: Homem Casto

sábado, 11 de agosto de 2012

Quam bonum est et quam jucundum, habitare fratres in unum.

"Vede: como é bom, como é agradável habitar todos juntos, como irmãos." (Sl CXXXII, 1)
 
Visita de Dom Tomás de Aquino OSB, Prior do Mosteiro da Santa Cruz e alguns membros do Grupo São Domingos de Gusmão de Maringá - PR, ao Grupo Dom Bosco, neste fim de semana (4 e 5/8)

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Desrespeito com Nosso Senhor e com a Autoridade da Igreja em Foz

Foto oficial da Diocese de Foz do Iguaçu, publicada no seu facebook, na solenidade de Corpus Christi, 2012.
Nela o Pe. Sérgio Bertotti, vigário geral da diocese dá a comunhão na mão de um fiel.
"Os vasos sagrados, que estão destinados a receber o Corpo e o Sangue do Senhor, devem ser fabricados, estritamente, conforme as normas da tradição e dos livros litúrgicos. [...] Portanto, reprove-se qualquer uso, para a celebração da Missa, de vasos comuns ou de escasso valor, no que se refere à qualidade, ou carentes de todo valor artístico, ou simples recipientes, ou outros vasos de cristal, argila, porcelana e outros materiais que se quebram facilmente. Isto vale também para os metais e outros materiais, que se corroem (oxidam) facilmente." (Instrução Redemptionis Sacramentum, nº 117. Grifos nossos)